Quando eu me perco em minhas memórias…

Num devaneio de domingo, cá estou eu a pensar na vida, certas memórias e a sentir saudade! (mas ele é tão desapegado, não acredito!?). Mas é isso mesmo, saudade: de casa, dos tempos de colégio, de amigos, de tempos “remotos”, de coisinhas pequenas e outras nem tanto assim.

Nessa de tentar lembrar das histórias e das pessoas, gastei um tempo pensando quem são os amigos de longa data e tentando descobrir onde foram parar tantos outros que passaram pela minha vida.
Foi interessante, comecei a listar, por exemplo, 42 colegas de classe com quem estudei no ensino médio (inclusive em ordem alfabética). Conclusão: não tenho contato com nem 10 deles mais tendo passado pouco mais de 6 anos (e não é muito diferente mesmo entre aqueles que permaneceram na minha cidade). São mais de 6 anos e serão muitos outros mais, nada garante que vamos voltar a encontrar algumas pessoas, mas memórias, essas ficam! E definitivamente, tenho ótimas memórias e isso ninguém tira de você, lá está a marca de todos que passaram na sua vida.

Entre vídeos, recados bilhetes, cartas, posts do facebook e até naquelas fotos zuadas que você resolveu guardar do Orkut! Umas coisas mais, outras menos mas tudo tem um lugarzinho dentro da gente. Eu particularmente, tenho uma caixinha (que ganhei da Jé), bem zuada, bem destruída pelo meu descuido, onde guardo tudo quando é “baboseira” que ganhei das pessoas desde que sai da casa dos meus pais. A caixinha de memórias tem desde recados de amigos em guardanapos de papel até uma pedrinha que ganhei de uma garotinha numa estrada viajando pela Bolívia. Se você me enviou uma carta, bilhete ou qualquer coisa do tipo nos últimos 6 anos, tá lá.

memorias-aleatorias

Não fico pilhado e muito menos me achando velho como vejo muita gente da minha idade dizendo. Porém, posso afirmar que tenho algumas boas histórias pra contar. Acredito que por conta disso (ou não!) eu seja uma pessoa um tanto quanto nostálgica. Don’t get me wrong: eu não estou depressivo, preso no passado e sem vontade de cantar uma bela canção! Muito pelo contrário, é uma nostalgia motivante. Lembro sim do passado e aprendo com ele todo dia. E consequentemete vivo o melhor do presente! Pra crescer sempre e ter “muita história pra contar” e muita coisa pra por na caixinha de memórias!

Engenheiro eletricista, professor de inglês, DJ, empreendedor, faixa roxa e instrutor de Jiu Jitsu, geek e, acima de tudo, caçador de sonhos!

Deixe uma resposta